Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

A Cultura da Liberdade

Mario Vargas Llosa

Excertos e Ensaios, Liberalismo e Capitalismo, Sociologia, Ficção e Literatura, Filosofia, Ética e Moral, História

Português

Os ataques mais eficazes contra a globalização não são, normalmente, os relacionados com a economia. São, antes, os relacionados com fatores sociais, éticos e, principalmente, culturais.  Esses argumentos fizeram-se ouvir durante o tumulto de Seattle, em 1999, e reapareceram mais recentemente em Davos, Banguecoque e Praga. Eles dizem o seguinte:

O desaparecimento das fronteiras nacionais e o estabelecimento de um mundo interligado através dos mercados serão um golpe fatal para as culturas regionais e nacionais e para as tradições, costumes e mitos que sustentam a identidade cultural de cada região ou país. Uma vez que a maior parte do mundo é incapaz de resistir à invasão dos produtos culturais de países desenvolvidos (ou, mais concretamente, da superpotência, os Estados Unidos), invasão essa que, inevitavelmente, acompanha a chegada das grandes multinacionais, então a cultura norte-americana acabará por se impor às outras, padronizando todo o mundo e aniquilando a sua “flora” cultural rica e diversificada. Desta forma, todos os outros povos, e não somente os pequenos e fracos, perderão a sua identidade, a sua alma, e tornar-se-ão não mais do que colónias do século XXI – zombies ou caricaturas modeladas segundo as normas culturais de um novo imperialismo que, para além de governar o planeta com o seu capital, o seu poder militar e o seu conhecimento científico, imporá também aos outros a sua linguagem e formas de pensar, crer, fruir e sonhar.

Este mundo de pesadelo ou distopia que, graças à globalização, está a perder a sua diversidade linguística e cultural e está a ser culturalmente apropriado pelos Estados Unidos, não é domínio exclusivo dos políticos de esquerda nostálgicos por Marx, Mao ou Che Guevara. Este delírio de perseguição – fomentado por ódio e rancor ao gigante norte-americano – é também visível em países desenvolvidos e em nações da alta cultura, distribuindo-se politicamente tanto à esquerda, como ao centro, como à direita.

O caso mais notório é o da França, onde vemos frequentemente campanhas do governo em defesa de uma “identidade cultural” francesa, supostamente ameaçada pela globalização. Uma grande variedade de intelectuais e políticos está alarmada com a possibilidade de que a terra que gerou Montaigne, Descartes, Racine e Baudelaire – e um país que foi durante muito tempo a referência da moda, do pensamento, da arte, da gastronomia e de todos os domínios do espírito – possa ser invadido pelo McDonald’s, pela Pizza Hut, pelo Kentucky Fried Chicken, pelo rock, pelo rap, pelos filmes de Hollywood, pelos jeans, pelos ténis e t-shirts. Este medo resultou, por exemplo, na atribuição, em Franca, de generosos subsídios para a indústria  cinematográfica local e na exigência de que os cinemas tenham uma quota mínima de exibição de um certo número de filmes nacionais e limitem a importação de filmes dos Estados Unidos. Este receio é também a razão pela qual os municípios emitiram diretivas que sancionam severamente, com multas elevadas, qualquer publicidade que  corrompa com anglicismos a língua de Molière. (Isto apesar de, aos olhos de um transeunte nas ruas de Paris, as diretivas parecerem não ter sido propriamente respeitadas.) É esta a razão pela qual José Bové, o agricultor-feito-cruzado contra a malbouffe (comida sem qualidade), se tornou nada menos que um herói popular em França. E com a sua recente condenação a três meses de prisão, a sua popularidade provavelmente até aumentou.

Apesar de acreditar que este argumento cultural contra a globalização é inaceitável, devemos reconhecer que, no fundo, contém uma verdade inquestionável. Este século, o mundo em que viveremos será menos pitoresco e terá menos cores locais do que aquele que deixámos para trás. Os festivais, os trajes, os costumes, as cerimónias, os rituais e as crenças que no passado deram à humanidade a sua variedade folclórica e etnológica estão a desaparecer ou a restringir-se a setores minoritários, enquanto a maioria da sociedade os abandona e adopta outros mais  adequados à realidade do nosso tempo. Todos os países deste planeta passam por este processo, alguns a um ritmo mais acelerado do que outros, mas tal não se deve à globalização. Deve-se, antes, à modernização, da qual a globalização é o efeito e não a causa. É certamente possível lamentar que este processo ocorra, e sentir nostalgia pelo eclipsar das formas antigas de vida que, em particular desde o nosso confortável ponto de vista no presente, parecem cheias de diversão, originalidade e cor. Mas este processo é inevitável. Os regimes totalitários em países como Cuba ou Coreia do Norte,  receosos de que qualquer abertura os destrua, fecham-se e criam todo o tipo de proibições e censuras contra a modernização. Mas mesmo esses não são capazes de impedir que a modernização, lenta e gradualmente, se infiltre e mine a sua chamada “identidade cultural”. Em teoria, talvez um país pudesse manter essa tal identidade, mas apenas se – como em certas tribos remotas em África ou na Amazónia – decidir viver em isolamento total, suprimindo todo e qualquer intercâmbio com outras nações e investindo na auto-suficiência. Uma identidade cultural preservada desta forma levaria essa sociedade de volta a níveis de vida pré-históricos.

É verdade que a modernização faz com que muitos hábitos de vida tradicionais desapareçam. Mas, ao mesmo tempo, abre oportunidades e constitui um importante passo em frente para a sociedade como um todo. É por isso que, quando lhes é concedida a oportunidade de escolher livremente, os povos, contrariamente àquilo de que os seus líderes ou intelectuais mais conservadores gostariam, optam pela modernização, sem a mais pequena dúvida.

Os argumentos contra a globalização e a favor da identidade cultural revelam uma  conceção estática da cultura, que não é corroborada pela história. Que culturas permaneceram idênticas e imutáveis ao longo dos tempos? Para as encontrarmos, teremos de as procurar entre as pequenas e primitivas comunidades mágico-religiosas que vivem em cavernas, adoram trovões e monstros, e que, devido ao seu primitivismo, são cada vez mais vulneráveis à exploração e ao extermínio. Todas as outras culturas, em particular aquelas que têm o direito a serem chamadas vivas e modernas, evoluíram ao ponto de serem hoje apenas um reflexo remoto daquilo que eram há apenas duas ou três gerações atrás. Esta evolução é facilmente visível em países como França, Espanha e Inglaterra, onde as mudanças ao longo da última metade de século têm sido tão espetaculares e profundas que um Marcel Proust, um Federico García Lorca ou uma Virginia Woolf dificilmente reconheceriam, atualmente, as sociedades em que nasceram – as sociedades que as suas obras tanto ajudaram a renovar.

A noção de “identidade cultural” é perigosa. De um ponto de vista social, representa apenas um conceito duvidoso e artificial; porém, de uma perspetiva política, ameaça a conquista mais preciosa da humanidade: a liberdade. Não nego que as pessoas que falam a mesma língua, que nasceram e vivem no mesmo território, que enfrentam os mesmos problemas e que praticam as mesmas religiões e costumes tenham caraterísticas em comum. Mas esse denominador coletivo nunca conseguirá definir completamente cada uma delas, e estará apenas a abolir ou a relegar para um humilhante segundo plano a soma dos atributos e traços únicos que diferencia um membro do grupo dos restantes. O conceito de identidade, quando não é aplicado a uma escala exclusivamente individual, torna-se, por inerência, redutor e desumanizador, uma abstração coletivista e ideológica de tudo o que é original e criativo no ser humano, de tudo aquilo que não foi imposto por herança, geografia ou pressão social. Preferivelmente, a verdadeira identidade advirá da capacidade do ser humano para resistir a estas influências e contrariá-las com a sua própria livre atuação.

A noção de “identidade coletiva” é uma ficção ideológica e constitui a base do nacionalismo. Para muitos etnólogos e antropólogos, a identidade coletiva não corresponde à verdade, mesmo no seio das comunidades mais arcaicas. Os costumes e práticas comuns podem ser cruciais para a defesa do grupo, mas a margem de iniciativa e criatividade entre os seus membros para dele se emanciparem é invariavelmente grande, e as diferenças individuais prevalecem sobre as características coletivas quando os indivíduos são examinados nos seus próprios termos e não como meros elementos periféricos da coletividade. A globalização estende, de uma forma radical, a todos os cidadãos deste planeta, a possibilidade de construírem a sua identidade cultural individual através de ações voluntárias, conforme as suas preferências e motivações pessoais. Hoje, os cidadãos já nem sempre são obrigados, como foram no passado e ainda são em muitos lugares no presente, a respeitar uma identidade que os aprisiona num campo de concentração de onde não há fuga possível, ou seja, a identidade que lhes é imposta pela língua, pela nação, pela religião e pelos costumes do lugar onde nasceram. Neste sentido, a globalização tem de ser bem-vinda, uma vez que expande, notavelmente, os horizontes da liberdade individual.

Um continente, duas histórias

Talvez a América Latina seja o melhor exemplo do quão artificial e absurdo é tentar estabelecer identidades coletivas. Qual poderia ser a identidade cultural da América Latina? Que características fariam parte desse conjunto coerente de crenças, costumes, tradições, práticas e mitologias que conferiria a esta região uma personalidade singular, única e intransmissível? A nossa história tem sido forjada com polémicas intelectuais, algumas das quais bastante ferozes, com o intuito de responder a esta questão. A mais célebre foi a que, no começo do século XX, colocou os hispânicos contra os indígenas e se repercutiu em todo o continente.

Para hispanistas como José de la Riva Agüero, Victor Andrés Belaúnde, e Francisco García Calderón, a América Latina terá nascido quando, graças aos Descobrimentos e à Conquista, esse território se uniu às línguas espanhola e portuguesa e, adotando o Cristianismo, passou a fazer parte da civilização ocidental. Os hispanistas não menosprezaram as culturas pré-hispânicas, mas encararam-nas como constituindo somente uma camada – e nem sequer a principal – da realidade social e histórica que só viu a sua natureza e personalidade completarem-se graças à influência vivificante do Ocidente.

Os indigenistas, por outro lado, rejeitaram com indignação moral os alegados benefícios que os europeus trouxeram para a América Latina. Para eles, a nossa identidade encontra as suas raízes e a sua alma nas culturas e civilizações pré-hispânicas, cujo desenvolvimento e modernização foram brutalmente enfraquecidos pela violência e sujeitos a censura, repressão e marginalização, não só durante os três séculos coloniais, mas também mais tarde, após o advento do republicanismo. Segundo os pensadores indigenistas, a "expressão americana" autêntica (para usar o título de um livro de José Lezama Lima) reside em todas as manifestações culturais – desde as línguas nativas às crenças, ritos, artes e costumes populares – que resistiram à opressão cultural ocidental e se mantiveram até aos nossos dias. Um ilustre historiador desta corrente, o peruano Luis E. Valcárcel, chegou mesmo a afirmar que as igrejas, os conventos e outros monumentos da arquitetura colonial deveriam ser queimados, uma vez que representavam o "Anti-Peru". Eram impostores, uma negação da identidade americana imaculada que só poderia provir de raízes exclusivamente indígenas. E um dos romancistas mais originais da América Latina, José María Arguedas, narrou, em histórias de grande delicadeza e vibrante protesto moral, a epopeia da sobrevivência da cultura quíchua no mundo andino, apesar da presença sufocante e destrutiva do Ocidente.

O hispanismo e o indigenismo produziram excelentes ensaios históricos e obras de ficção altamente criativas, mas, julgadas desde a nossa perspetiva atual, ambas as doutrinas parecem igualmente sectárias, reducionistas e falsas. Nenhuma delas é capaz de encaixar a diversidade expansiva da América Latina no seu colete-de-forças ideológico, e ambas transparecem algum racismo. Quem ousaria afirmar, nos nossos dias, que apenas o que é "hispânico" ou "indígena" representa legitimamente a América Latina? No entanto, as tentativas de forjar e isolar a nossa distinta "identidade cultural" prosseguem hoje com um zelo político e intelectual merecedor de mais valiosas causas. Procurar impor uma identidade cultural a um povo equivale a trancá-lo numa prisão e a negar-lhe a mais preciosa das liberdades – a de escolher o quê, como e quem ele quer ser. A América Latina não tem uma, mas muitas identidades culturais; nenhuma delas pode reivindicar mais legitimidade ou autenticidade do que as outras.

Como é natural, a América Latina encarna o mundo pré-hispânico e as suas culturas, as quais, no México, no Guatemala e nos países andinos, ainda exercem considerável força social. Mas a América Latina é também uma vasta multidão de falantes de espanhol e de português, que contam já com uma tradição de cinco séculos, e cuja presença e ações têm sido decisivas para dar ao continente as suas atuais características. E não terá a América Latina, também, qualquer coisa de África, chegada às nossas costas juntamente com a Europa? Não terá a presença africana marcado indelevelmente a nossa pele, a nossa música, as nossas idiossincrasias, a nossa sociedade? Os ingredientes culturais, étnicos e sociais que compõem a América Latina ligam-nos a quase todas as regiões e culturas do mundo. Temos tantas identidades culturais que é como se, na verdade, não tivéssemos nenhuma. Esta realidade é, contrariamente ao que os nacionalistas acreditam, o nosso maior tesouro. É também uma excelente credencial, que nos permite sentir cidadãos de pleno direito neste mundo globalizado.

Vozes Locais, Alcance Global

O medo da americanização do planeta é mais paranóia ideológica do que realidade. Como é óbvio, não há dúvida de que, com a globalização, o inglês generalizou-se como a língua dominante do nosso tempo, à semelhança do latim na Idade Média, e vai continuar a sua ascensão, uma vez que é um instrumento indispensável para as transações e comunicações internacionais. Mas será que isto significa que o inglês se desenvolve necessariamente à custa das outras grandes línguas? Certamente que não. Com efeito, o oposto é que é verdade. O desaparecimento das fronteiras e um mundo cada vez mais interdependente criaram incentivos para as novas gerações aprenderem e assimilarem outras culturas, não apenas como um hobby, mas também por necessidade, uma vez que a capacidade de falar várias línguas e navegar confortavelmente por culturas diferentes tornou-se crucial para o sucesso profissional. Considerem o caso do espanhol. Há meio século atrás, os falantes de espanhol eram uma comunidade muito virada para si mesma; só muito limitadamente nos projetávamos para fora dos nossos limites linguísticos tradicionais. Hoje em dia, o espanhol é dinâmico e próspero, e conquista o seu espaço em todos os cinco continentes. O facto de existirem, em 2001, entre vinte e cinco a trinta milhões de falantes de espanhol nos Estados Unidos explica porque é que os dois recentes candidatos presidenciais dos EUA, o governador do Texas George W. Bush e o vice-presidente Al Gore, fizeram campanha não só em inglês, mas também em espanhol.

Quantos milhões de jovens homens e mulheres em todo o mundo não responderam aos desafios da globalização aprendendo japonês, alemão, mandarim, cantonês, russo ou francês? Felizmente, esta tendência só irá aumentar nos próximos anos. É por isso que a melhor defesa das nossas próprias culturas e línguas é promovê-las vigorosamente em todo este novo mundo, e não insistir na pretensão ingénua de as imunizar contra a ameaça da língua inglesa. Aqueles que propõem tais remédios falam muito sobre cultura, mas tendem a ser pessoas ignorantes que dissimulam a sua verdadeira pretensão: o nacionalismo. E se há algo que não se ajusta às propensões universalistas da cultura, é a visão paroquial, excludente e confusa que as perspetivas nacionalistas tentam impor à nossa vida cultural. A lição mais admirável que as culturas nos ensinam é a de que, para se manterem vivas e exuberantes, não precisam de ser protegidas por burocratas ou comissários, ou presas atrás das grades ou isoladas pelos serviços alfandegários; pelo contrário, tais esforços apenas murchariam ou mesmo banalizariam a cultura. As culturas devem viver livremente, em constante disputa com as restantes culturas. Isso renova-as e rejuvenesce-as, permitindo-lhes evoluir e adaptar-se ao fluxo contínuo da vida. Na antiguidade, o latim não matava o grego; pelo contrário, a originalidade artística e a profundidade intelectual da cultura helénica permearam a civilização romana e, através dela, os poemas de Homero e as filosofias de Platão e Aristóteles chegaram ao mundo inteiro. A globalização não fará desaparecer as culturas locais; num quadro de abertura mundial, tudo o que é valioso e digno de sobrevivência nas culturas locais encontrará um terreno fértil para florescer.

Isto está a acontecer na Europa, um pouco por todo o lado. Especialmente notável é o caso de Espanha, onde as culturas regionais estão a reemergir com um vigor especial. Durante a ditadura do General Francisco Franco, as culturas regionais foram reprimidas e condenadas a uma existência clandestina. Mas, com o regresso da democracia, a rica diversidade cultural de Espanha foi libertada e deixada desenvolver-se livremente. Nas regiões autónomas do país, as culturas locais tiveram um extraordinário ressurgimento, em particular na Catalunha, na Galiza e no País Basco, mas também no resto de Espanha. Mas, como é óbvio, não devemos confundir este renascimento cultural regional, que é positivo e enriquecedor, com o fenómeno do nacionalismo, que representa sérias ameaças à cultura da liberdade.

No seu célebre ensaio de 1948, Notes Towards the Definition of Culture [“Notas para a Definição de Cultura”], T.S. Eliot previu que, no futuro, a humanidade experimentaria um renascimento das culturas locais e regionais. Na altura, a sua profecia parecia bastante ousada. No entanto, a globalização irá provavelmente torná-la realidade no século XXI, e isso deve deixar-nos satisfeitos. Um renascimento de pequenas culturas locais devolverá à humanidade aquela rica multiplicidade de comportamentos e expressões que o Estado-nação aniquilou, com a sua tentativa de criar as chamadas identidades culturais nacionais no final do século XVIII e, particularmente, no século XIX. (Este facto é facilmente esquecido, ou então tentamos nós esquecê-lo por causa das suas graves conotações morais). As culturas nacionais eram frequentemente forjadas em sangue e fogo, proibindo o ensino ou publicação de línguas vernáculas ou a prática de religiões e costumes que divergiam daqueles que o Estado-nação considerava ideais. Desta forma, em muitos países do mundo, o Estado-nação impôs à força uma cultura dominante em detrimento das culturas locais, que foram reprimidas e abolidas da vida oficial. Mas, ao contrário dos avisos daqueles que temem a globalização, as culturas não são fáceis de apagar por completo – seja qual for o seu tamanho – se, por detrás delas, estiver uma tradição rica e um conjunto de pessoas que as praticam, mesmo que em segredo. Hoje, graças ao enfraquecimento do Estado-nação, vemos culturas locais esquecidas, marginalizadas e silenciadas reemergir e exibir sinais dinâmicos de vida no grande concerto deste planeta globalizado.

O presente ensaio apareceu originalmente em 2001 na revista Foreign Affairs e encontra-se incluído no livro The Morality of Capitalism.

Tradução: Guilherme Costa Matos e Pedro Almeida Jorge.

Colaboração: Raquel Correia.

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.