Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

Introdução a "Liberdade para Escolher"

Milton Friedman , Rose Friedman

Excertos e Ensaios, Economia, História, Liberalismo e Capitalismo, Intervencionismo e Protecionismo

Português

Desde o estabelecimento da primeira colónia de europeus no Novo Mundo que a América tem sido um íman para os que procuram aventura, fogem da tirania, ou simplesmente tentam proporcionar aos seus uma vida melhor.

A pequena afluência inicial aumentou depois da Revolução Americana e da criação dos Estados Unidos da América, e tornou-se numa corrente continua no século XIX, quando milhões de pessoas atravessaram o Atlântico, e um número menor o Pacífico, fugindo da miséria e tirania, atraídos pela promessa de liberdade e abundância.

Quando chegaram, não encontraram ruas cobertas de ouro, não encontraram uma vida fácil. Encontraram, sim, a liberdade e uma oportunidade para aproveitar as suas aptidões. Através do trabalho árduo, do engenho, da parcimónia e da sorte, a maior parte deles conseguiu realizar os seus sonhos e ambições, encorajando os amigos e familiares a reunirem-se-lhes.

A história dos Estados Unidos é a história de um milagre económico e outro político, que só foram possíveis por terem sido postos em prática dois conjuntos de ideias – ambos, por curiosa coincidência, formulados em documentos publicados no mesmo ano, 1776.

Um dos conjuntos de ideias é expresso em A Riqueza das Nações, a obra-prima que fez do escocês Adam Smith o pai da economia moderna. Analisa a maneira como um sistema de mercado pode combinar a liberdade dos indivíduos que têm determinados objectivos com a colaboração extensiva e cooperação necessária ao campo económico, para produzir a nossa alimentação, vestuário e habitação. A opinião de Adam Smith é que, numa troca, ambas as partes podem beneficiar e que, desde que a cooperação seja estritamente voluntária, a troca só se verificará quando as duas partes beneficiarem. Não é necessária força exterior, coacção ou violação da liberdade para conseguir a colaboração dos indivíduos quando o objectivo a atingir os beneficia. É por isso que, tal como Adam Smith diz, um indivíduo que «só está a pensar no seu próprio ganho» está «a ser guiado por uma mão invisível a atingir um fim que não fazia parte das suas intenções. Nem nunca será muito mau para a sociedade que ele não fizesse parte das suas intenções. Ao tentar satisfazer o seu próprio interesse, promove frequentemente de uma maneira mais eficaz o interesse da sociedade do que quando realmente o pretende fazer. Nunca vi nada de bom feito por aqueles que se dedicaram ao comércio pelo bem público.»

O segundo conjunto de ideias está expresso na Declaração de Independência feita por Thomas Jefferson para exprimir o sentimento geral dos seus compatriotas. Proclamava uma nova nação, a primeira na história assente no princípio de que todas as pessoas têm o direito de defender os seus próprios valores: «Estas verdades são evidentes, todos os homens são iguais, o seu Criador deu-lhes direitos inalienáveis, entre os quais estão a vida, a liberdade e a procura de felicidade.»

Ou, tal como quase um século mais tarde exprimiu de forma mais extrema John Stuart Mill:

O único fim em que é legítimo que a humanidade, individual ou colectivamente, interfira com a liberdade de acção de outrem, é a autodefesa... O poder só é legitimamente exercido sobre qualquer membro de uma comunidade civilizada, contra sua vontade, quando estiver em causa o bem-estar dos outros. O seu próprio bem-estar, seja físico ou moral, não é motivo suficiente... A única parte da conduta de uma pessoa em relação à qual ela é responsável perante a sociedade é no que diga respeito aos outros. Na parte que somente diga respeito a si própria, a sua independência é, por direito, absoluta. O indivíduo é soberano em relação a si próprio, à sua cabeça e ao seu espírito. (On Liberty)

Muita da história dos Estados Unidos gira à volta da tentativa de levar os princípios da Declaração da Independência à prática, pela luta contra a escravatura, finalmente resolvida com uma sangrenta guerra civil, até à subsequente tentativa de promover a igualdade de oportunidades, e à mais recente tentativa de conseguir igualdade de resultados.

A liberdade económica é um requisito essencial para a liberdade política. Permitindo às pessoas cooperar umas com as outras sem coacção ou direcção central, é reduzida a área sobre a qual o poder político é exercido. Além disso, através da dispersão do poder, consegue-se que o mercado livre sirva de contrapeso a qualquer concentração de poder que apareça. A combinação de poder económico e político nas mesmas mãos é uma receita certa para a tirania.

A combinação de liberdade económica e política teve como resultado uma era dourada tanto nos Estados Unidos como na Grã-Bretanha, no século XIX. Os Estados Unidos prosperaram ainda mais do que a Grã-Bretanha. Começou com um programa claro: poucos vestígios de classes e status; poucas medidas restritivas do Governo; um campo mais fértil para a energia, transportes e inovação; e um continente vazio para conquistar.

A fecundidade da liberdade é demonstrada dramática e claramente na agricultura. Quando a Declaração da Independência foi promulgada, pouco menos do que três milhões de pessoas de origem europeia e africana (excluindo os índios nativos) ocupavam uma estreita franja ao longo da costa leste.

A agricultura era a principal actividade económica. Eram precisos 19 de 20 trabalhadores para alimentar os habitantes do país e garantir um extra para exportar em troca de mercadoria estrangeira. Hoje [1980] são precisos menos do que 1 em cada 20 trabalhadores para alimentar os 222 milhões de habitantes e para garantir um excedente que faz com que os Estados Unidos sejam o maior exportador de alimentação do mundo.

Como se explica este milagre? Certamente que não é a direcção central de um governo – nações como a Rússia e seus satélites, China, Jugoslávia e Índia, que hoje assentam na direcção central, empregam entre um quarto e metade dos seus trabalhadores na agricultura, e no entanto apoiam-se frequentemente na agricultura dos Estados Unidos para evitar a subalimentação maciça. Durante a maior parte do período da rápida expansão agrícola nos Estados Unidos, o Governo desempenhou um papel de negligência. Eram disponibilizadas terras – mas terras que se encontravam improdutivas. Depois de meados do século XIX, criaram-se universidades onde se ensinava agricultura e se disseminava informação e tecnologia, através de financiamentos de organismos governamentais. Não há dúvida, contudo, que a principal fonte da revolução agrícola foi a iniciativa privada que operava num mercado livre aberto a todos – com excepção para a vergonha da escravatura. E o crescimento mais rápido verificou-se depois da abolição da escravatura. Os milhões de imigrantes de todo o mundo puderam passar a trabalhar para si próprios, como lavradores independentes ou homens de negócios, ou passaram a trabalhar para outrem por mútuo acordo. Eram livres de experimentar novas técnicas – o risco era seu se as experiências falhassem, e os lucros também, se fossem bem sucedidos. Recebiam pouca assistência da parte do Governo. E, ainda mais importante, também não encontravam grandes interferências da sua parte.

O Governo começou a desempenhar um papel mais importante na agricultura durante e depois da Grande Depressão dos anos 1930. A princípio a sua função era restringir a produção de forma a manter os preços artificialmente altos.

O crescimento da produtividade agrícola dependia do acompanhamento da Revolução Industrial, estimulado pela liberdade. Depois vieram as novas máquinas que revolucionaram a agricultura. Contrariamente, a Revolução Industrial dependia da disponibilidade da força humana, dispensada pela revolução agrícola. Indústria e agricultura caminhavam de mãos dadas.

Já Smith e Jefferson tinham concluído que o poder governamental concentrado era um grande perigo para o homem comum: viram que a protecção do cidadão contra a tirania do Governo era uma necessidade constante. Esta era a meta da Declaração de Direitos de Virgínia (1776) e da Bill of Rights dos Estados Unidos (1791); o propósito da separação de poderes na Constituição norte-americana; a força que se movia por trás das mudanças na estrutura legal britânica desde a Magna Carta, do século XIII até ao fim do século XIX. Para Smith e Jefferson, o papel do Governo era o de árbitro, não o de participante. O ideal de Jefferson, tal como o expressou no seu discurso inaugural (1801), era «um Governo sensato e frugal que impedirá os homens de se prejudicarem mutuamente, que os deixará, por outro lado, livres para regular os seus próprios desígnios de indústria e desenvolvimento».

Ironicamente, o verdadeiro êxito da liberdade económica e política fez diminuir o interesse dos pensadores posteriores. O Governo limitado dos fins do século XIX possuía pouco poder concentrado que pusesse em perigo o homem comum. O reverso da medalha era que possuía pouco poder que permitisse às boas pessoas praticar o bem. E num mundo imperfeito existiam ainda muitos males. Claro que o verdadeiro progresso da sociedade fazia parecer ainda mais abjectos os males residuais. Como sempre, as pessoas tomavam como certo o desenvolvimento favorável. Esqueciam o perigo para a liberdade que era um Governo forte. Em vez disso, eram atraídas pelo bem que um Governo mais forte podia trazer – isto se o poder governamental estivesse nas «mãos certas».

Estas ideias começaram a influenciar a política governamental na Grã-Bretanha no princípio do século XX. Foram ganhando apoio entre os intelectuais dos Estados Unidos, mas tiveram pouco efeito na política governamental até à Grande Depressão, no começo dos anos 30. Tal como se mostra no capítulo III, a depressão foi provocada por um fracasso do Governo numa área – o dinheiro – onde sempre, desde o início da República, exercera a sua actividade. Contudo, a responsabilidade do Governo na depressão não foi reconhecida – nem então, nem agora. Em vez disso, a depressão foi largamente interpretada como um falhanço do mercado livre capitalista. Esse mito levou o público a juntar-se aos intelectuais numa mudança de perspectiva em relação às responsabilidades relativas dos indivíduos e do Governo. A ênfase na responsabilidade do indivíduo pelo seu próprio destino foi substituída pela ênfase do indivíduo enquanto peão empurrado por forças que não consegue controlar. O ponto de vista de que o papel do Governo é funcionar como árbitro para impedir os indivíduos de exercerem coacção uns sobre os outros foi substituído pelo ponto de vista de que o papel do Governo é funcionar como um tutor encarregado de obrigar alguns a ajudar os outros.

Estes pontos de vista dominaram os desenvolvimentos dos Estados Unidos durante o último meio século. Levaram a um crescimento do Governo a todos os níveis, assim como a uma transferência de poder dos governos e controlos locais para os governos e controlos centrais. O Governo tem levado a cabo a tarefa de tirar a alguns para dar a outros, tudo em nome da segurança e da igualdade. Estabeleceu-se uma política governamental atrás de outra, de forma a «regular» os nossos «desígnios de indústria e desenvolvimento», utilizando as palavras de Jefferson.

Estes desenvolvimentos ficaram a dever-se a boas intenções com uma grande dose de interesse próprio. Mesmo os mais acérrimos defensores do Estado paternal e de bem-estar concordam que os resultados têm sido desapontantes. Na esfera governamental, à semelhança do mercado, parece também haver uma mão invisível, mas que opera precisamente na direcção oposta da mão invisível de Adam Smith: um indivíduo que tenciona unicamente servir o interesse público através da intervenção governamental é «levado por uma mão invisível a promover» interesses privados, «que não faziam parte da sua intenção». Esta conclusão é provada inúmeras vezes quando examinamos, nos capítulos seguintes, as diversas áreas em que o poder governamental tem sido exercido – seja para atingir a segurança (cap. IV), ou a igualdade (cap. V), para promover a educação (cap. VI), proteger o consumidor (cap. VII), ou o trabalhador (cap. VIII), ou para evitar a inflação e promover o emprego (cap. IX).

Até aqui, nas palavras de Adam Smith, «o esforço constante, uniforme e ininterrupto de todo o homem com vista a melhorar a sua condição, o princípio de onde a opulência pública e nacional, assim como a privada, derivam» tem sido «suficientemente forte para manter o progresso natural das coisas em relação ao desenvolvimento, apesar tanto da extravagância dos Governos como dos maiores erros de administração. Tal como o princípio desconhecido da vida animal restaura frequentemente a saúde e o vigor da constituição, apesar não só da doença mas também das prescrições absurdas do médico». Quer dizer que a mão invisível de Adam Smith tem sido suficientemente poderosa para ultrapassar os efeitos mortíferos da mão invisível que opera na esfera política.

A experiência de anos recentes – o crescimento lento e o declinar da produtividade – levantam a dúvida de se o engenho privado conseguirá continuar a ultrapassar os efeitos mortíferos do controlo do Governo, se continuarmos a entregar a este último cada vez mais poder e a autorizar a «nova classe» de funcionários públicos a gastar cada vez maiores fracções do nosso rendimento, supostamente em nosso próprio benefício. Mais cedo ou mais tarde – e talvez mais cedo do que muitos de nós esperam – um Governo ainda mais forte destruirá tanto a prosperidade que devemos ao mercado livre como a liberdade humana tão eloquentemente proclamada na Declaração da Independência.

Ainda não chegámos ao beco sem saída. Ainda somos, enquanto povo, livres para escolher se queremos continuar a percorrer «o caminho para a servidão», como Friedrich Hayek intitulou o seu profundo livro, ou se queremos limitar o Governo e confiar mais fortemente na cooperação voluntária entre os indivíduos livres, de forma a conseguirmos atingir os nossos vários objectivos. Irá a nossa era dourada atirar-nos para a tirania e miséria que sempre tem sido, e continua a ser, o estado da maior parte da Humanidade? Ou teremos a sensatez, a visão, a coragem de mudar o nosso rumo, de aprender com a experiência e de tirar partido do «renascer da liberdade»?

Se quisermos escolher sensatamente, temos de compreender os princípios fundamentais do nosso sistema: tanto os princípios económicos de Adam Smith, que explicam como um sistema complexo, organizado, e perfeitamente funcional pode desenvolver-se e florescer sem direcção central, e como uma coordenação se pode conseguir sem recorrer a coacção (cap. I); como os princípios políticos expressos por Thomas Jefferson (cap. V). Temos de entender porque é que as tentativas de substituir a cooperação pela direcção central podem tornar-se tão nefastas (cap. II). Temos de compreender também a relação íntima que existe entre a liberdade política e a liberdade económica.

Felizmente, a maré está a mudar. Nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, nos países da Europa Ocidental e em muitos outros países do mundo há um reconhecimento crescente dos perigos de um Estado grande e uma insatisfação crescente com as políticas que têm sido seguidas. Esta mudança tem-se reflectido não só na opinião mas também na esfera política. Está a tornar-se politicamente vantajoso para os nossos representantes cantar num tom diferente e talvez agir também de modo diferente. Estamos a assistir a uma nova mudança na opinião pública. Temos a oportunidade de encaminhar a mudança de opinião para uma confiança maior na iniciativa individual e na cooperação voluntária, mais do que para o outro extremo do colectivismo total.

No nosso capítulo final, expomos as razoes por que, num sistema político supostamente democrático, os interesses especiais prevalecem sobre o interesse geral. Expomos o que devemos fazer para corrigir aquilo que no nosso sistema é responsável por este resultado, como podemos limitar o Governo, permitindo-lhe contudo desempenhar as suas funções essenciais de defender a nação de inimigos externos, de nos proteger da coacção exercida por outros cidadãos, de servir de juiz nas nossas disputas e de nos permitir chegar a acordo sobre as regras que devemos seguir.

Introdução ao clássico liberal Free to Choose, de Milton e Rose Friedman, que "converteu" milhares de pessoas à defesa da liberdade económica desde o seu lançamento no final dos anos 70.

Tradução de Ana Maria Sampaio, incluída em Liberdade Para Escolher, Publicações Europa-América, 1980.

Colaboração na transcrição: Ana Santos Fernandes.
Revisão: Pedro Almeida Jorge.

Uma nova edição em português encontra-se disponível em ebook na editora Lua de Papel.

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.