Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

O Intervencionismo

Ludwig von Mises

Intervencionismo e Protecionismo, Clássicos, Excertos e Ensaios, Economia, Escola Austríaca

Português

Durante décadas, a presente tradução de "Interventionismus", levada a cabo pelo Prof. Doutor José Joaquim Teixeira Ribeiro (1908–1997) e publicada, em 1944, no Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, constituiu o único escrito de Ludwig von Mises disponível em língua portuguesa, sendo até hoje a sua única publicação oficial no nosso país. Estamos, portanto, perante um pedaço de História.

Ludwig von Mises (1881–1973), uma das últimas figuras incontornáveis do liberalismo clássico, doutorou-se na famosa Universidade de Viena no início do século passado, tendo participado nos reputados seminários de economia de Eugen von Bӧhm-Bawerk (1851–1914) e exercido relevantes funções na Câmara de Comércio de Viena. Chamado a combater em diversas frentes da Primeira Guerra, assumiu, após revoluções e inflações, posição destacada na chamada Escola Austríaca de Economia, em virtude do seu famoso tratado sobre a natureza, leis e efeitos do dinheiro e do crédito circulante , bem como dos seus estudos pioneiros a respeito da (im)possibilidade de cálculo económico numa comunidade socialista , áreas em que exerceu decisiva influência no seu mais famoso mentorado, F. A. Hayek (1899–1992). Com a ascenção de Hitler, devido à sua ascendência judaica e às suas posições marcadamente anti-intervencionistas, Mises refugiou-se em 1934 no Instituto de Altos Estudos Internacionais, em Geneva, na Suíça. A expansão nazi haveria contudo de o forçar, já perto dos 60 anos de idade, a uma nova fuga, desta feita para os Estados Unidos da América, partindo de Lisboa em julho de 1940 – passagem que, especulamos, talvez tenha ocasionado troca de impressões resultante, quatro anos mais tarde, na publicação da presente tradução.

Em 1944, e apesar da neutralidade portuguesa, vigorava em Portugal plena economia de guerra, com tabelamentos e racionamentos dos mais variados bens, então implementados pela recém-criada Intendência Geral dos Abastecimentos. Tal situação configurou certamente impulso decisivo para a tradução desta clássica crítica ao intervencionismo económico e ao dirigismo estatal.

Nas palavras do ilustre tradutor – insuspeito de doutrinação liberal, como no seu preâmbulo se confirma – neste artigo «condensa-se a crítica mais inteligente e séria que, do lado liberal, até hoje se moveu à intervenção na vida económica.» Apesar de passados já mais de 90 anos desde a sua publicação original, em 1926 , acreditamos que este artigo continua, de facto, a condensar muito do quanto a ciência económica tem a ensinar e alertar sobre, nomeadamente, o tabelamento de preços e as consequências não-intencionadas que dele advêm, vincando e deixando claro, porém, que as afirmações da economia a respeito de tais práticas são sempre produzidas com base no que os seus proponentes dizem almejar e não nos juízos de valor do economista teórico. Não consta, porém, que tenham as palavras traduzidas obtido grande repercussão prática no nosso país, até e desde então fiel a nefastos métodos de governo económico.

É, ainda assim, com intenções repercussivas e não por mera curiosidade histórica que, em 2021, trazemos de volta ao público este pequeno mas elucidativo tratado sobre os males e sortes do intervencionismo. Numa altura em que vigora em Portugal, há mais de um ano, estado de emergência sanitária e económica, que sirva a presente publicação para que o público português e também os seus dirigentes tomem consciência de que, à semelhança das leis fisiológicas ou epidemiológicas, as leis económicas exigem avultados preços aos que as ousam ignorar.

Finalizamos com agradecimento à Dra. M. J. Teixeira Ribeiro pela sua gentil permissão, bem como ao Dr. Pedro Canotilho e ao Dr. João Matos Cruz, sem cuja generosa ajuda não teria esta republicação sido possível.

[Nota introdutória de Pedro Almeida Jorge]

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.