Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

2022-03-07

Por +Factos

Orçamento Militar dos países membros da NATO

O conflito militar, em consequência da invasão da Ucrânia por parte da Rússia, tornou a discussão sobre a capacidade de defesa do Ocidente, e particularmente da Europa, ainda mais premente.
Nesse sentido, já foram feitas promessas, nomeadamente por países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), de reforçar os seus orçamentos de despesa militar para fazer face a esta viragem no contexto geopolítico internacional.

Assim sendo, a NATO, que chegou a ser descrita pelo presidente francês Emmanuel Macron, em 2019, como presenciando uma "morte cerebral", está a ver o seu papel fortalecido nesta crise. De relembrar que um dos princípios basilares da NATO é o seu artigo 5º, que garante que um ataque a um dos seus países é um ataque a todos.

Durante a cimeira de 2014, todos os países membros da NATO concordaram em gastar 2% do seu PIB em defesa até 2024. Porém, atualmente só 10 dos seus membros atingem esse valor de referência, ainda que com apelos constantes dos Estados Unidos para que aumentarem as suas contribuições financeiras.

Num anúncio histórico, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, declarou que, pela primeira vez, a UE financiará a compra e a entrega de armas e equipamentos a um país sob ataque militar, referindo-se à Ucrânia.

"Teremos de investir mais na segurança do nosso país para proteger a liberdade e a democracia", disse Olaf Scholz, chanceler da Alemanha, a 27 de fevereiro de 2022. Com esse fim, o governo alemão decidiu dedicar 100 mil milhões de euros para investimentos militares no seu orçamento de 2022, o que equivale a mais de 2% do seu PIB. Todo o orçamento de defesa da Alemanha, em comparação, foi de 47 mil milhões de euros em 2021. A Alemanha, depois de uma política de recusa de envio de armas para zonas de conflito, concordou em enviar armas para a Ucrânia, incluindo armas antitanque defensivas, mísseis terra-ar e munições.

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, admite que Portugal terá, como todos os países europeus, de repensar o investimento militar. Portugal também vai enviar equipamento militar para a Ucrânia, nomeadamente espingardas G3, coletes, capacetes e granadas.
 

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.