Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

2022-06-17

Por +Factos

Despesa Privada na Saúde

👨‍⚕️ A saúde e o SNS têm sido tema de destaque em Portugal nos últimos dias. A falta de médicos em vários hospitais do país tem levado ao encerramento de urgências de obstetrícia ou a pedidos de reencaminhamento de utentes, para outros hospitais, aos centros de orientação de doentes urgentes (CODU) Após mais de dois anos de pandemia, a saúde parece continuar doente. Saem as gripes e constipações, entram nas urgências os problemas com o preenchimento dos turnos dos profissionais de saúde.

A Constituição da República Portuguesa prevê um “um serviço nacional de saúde universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito”. No entanto, as limitações de resposta do SNS levam a que cada vez mais portugueses subscrevam seguros de saúde e tenham de assumir custos para além das contribuições que já fazem para o Orçamento do Estado da Saúde, através de impostos.

Em 2019, antes de pandemia, Portugal era o 3.º país europeu da OCDE em que os utentes assumiam uma maior percentagem da despesa total da saúde. Para além dos impostos, 39% da despesa corrente em saúde sai dos bolsos dos portugueses, através de seguros privados de saúde, subsistemas de saúde públicos voluntários (como a ADSE), co-pagamentos, farmácias, serviços privados não comparticipados pelos seguros, taxas moderadoras, etc.. Considerando apenas o peso dos pagamentos directos (excluindo os seguros e subsistemas), a percentagem em Portugal é de 30,5%, a 4.ª mais elevada desta região.

Num sistema de saúde onde, para além da forte carga fiscal, a despesa privada representa uma parte substancial do financiamento no sector, o acesso à saúde fica restrito àqueles que podem pagar e exclui as camadas mais pobres da sociedade, aumentando a desigualdade. De acordo com a OMS,"apenas quando os pagamentos directos caem para percentagens inferiores a 15%-20% do total da despesa em saúde é que o impacto da capacidade financeira dos utentes no acesso à saúde cai para níveis negligenciáveis".

O top 3 dos países europeus da OCDE em que os utentes assumem uma maior percentagem da despesa é liderado pela 🇨🇭 Suíça (68%, com um sistema de saúde muito distinto do português) e pela 🇬🇷 Grécia (40%).

 

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.