Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

2022-09-01

Por +Factos

Excesso de mortalidade em Portugal | Ano 2021

Em 2021, Portugal registou a maior taxa de mortalidade dos últimos 65 anos (12 mortos por cada mil habitantes no país). Excluindo as mortes devido à Covid-19, a mortalidade continua em valores recorde para o período pós-25 de Abril, tendo 2020 sido, mesmo, o ano com maior mortalidade desde o Estado Novo (11,2 mortos por cada mil habitantes).

Analisando a evolução da taxa de mortalidade em Portugal desde 1950, percebemos que houve uma tendência decrescente até à década de 80. Se na primeira metade da década de 50 a mortalidade se fixava em valores próximos de 12 mortes por cada mil residentes, no início da década de 80 fixava-se em valores próximos de 10 mortes por cada mil residentes (em 1982 foi atingido o valor mais baixo em todos os anos analisados neste quadro, 9,3 mortes).

A década de 90 pautou-se por um crescimento na mortalidade, atingindo-se, em vários anos, taxas de mortalidade acima dos 10,5 mortos por cada mil habitantes. Seguir-se-ia um novo período marcado pela redução da mortalidade, essencialmente na primeira década do século XXI (mortalidade próxima de 10 mortos por cada mil habitantes, tal como na década de 80).

Na última década voltou a assistir-se a um crescimento da mortalidade em Portugal, mas, desta vez, de forma mais pronunciada, com números recorde para o período pós-25 de Abril (e até para períodos mais longos). A Covid-19 veio acentuar ainda mais esta tendência, no entanto, explica apenas uma pequena parte do excesso de mortalidade. Se excluirmos a mortalidade Covid, a restante mortalidade continua em valores recorde e com trajetória ascendente.

2022 será, novamente, um ano de recordes, a julgar pela evolução ao longo do primeiro semestre. Portugal teve, em Junho, o maior excesso de mortalidade entre todos os Estados-membros da União Europeia (registou mais 25% de óbitos do que a média registada no mesmo mês entre 2016 e 2019, um valor cerca de quatro vezes superior à média europeia). Esta tendência tem sido uma constante durante todos os meses do presente ano.

Para além da Covid-19, o envelhecimento populacional é um dos factores relevantes para justificar este incremento na mortalidade, para o qual contribuiu também a incapacidade dos serviços de saúde em dar resposta às necessidades dos utentes.

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.