Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

2022-10-27

Por +Factos

Impactos da redução da Dívida Pública em 2023

Uma das principais bandeiras do Orçamento do Estado para 2023 e do Ministro das Finanças, Fernando Medina, é a redução da dívida pública. O OE aponta para uma redução de 4,3 pontos percentuais no rácio de dívida pública em percentagem do PIB, aproximando a dívida portuguesa dos 110% do PIB — o valor mais baixo desde 2010, quando atingiu os 100,2%, a primeira vez que passou a fasquia dos 100% do PIB. O objetivo é “retirar Portugal do pódio dos Estados-Membros da União Europeia mais endividados”, lê-se na proposta entregue no Parlamento.

De facto, a elevada dívida pública é um dos maiores desafios com que Portugal tem que lidar e a sua redução é de extrema importância. Portugal é, aos dias de hoje, o 3.º país da União Europeia com a dívida pública mais elevada, representando 123% do valor do PIB no 2.º semestre de 2022 (era 117% em 2019, pré-pandemia).

Mas, será que a previsível redução significativa da dívida pública em 2023 é mérito deste governo ou é, sobretudo, resultado da conjuntura actual? Ao analisarmos as estimativas para os efeitos dinâmicos da dívida pública em 2023, percebemos que o impacto positivo do efeito saldo primário (variação do stock de dívida pública) é de apenas 1,6 pontos percentuais, apesar de ser o orçamento mais restritivo da última década. O efeito positivo do crescimento económico (efeito PIB) é de 5,4 pontos percentuais, no entanto grande parte desse efeito é resultado do impacto directo da inflação (4,1 pontos percentuais). O crescimento real do PIB garante apenas 1,3 dos 5,4 pontos percentuais do efeito PIB. Se em 2023 a inflação fosse nula, a redução da dívida pública seria significativamente menor.

Pode argumentar-se que o contexto de elevada inflação tem tido um impacto negativo no efeito juros. É verdade, Portugal está a pagar taxas de juro mais elevadas, em parte como consequência da subida das taxas de juro directoras do BCE, como resposta ao contexto de elevada inflação. No entanto, trata-se de um efeito indirecto (em maior escala do que em outros países, porque Portugal é um dos países mais endividados da UE) e o seu impacto negativo é muito inferior ao impacto positivo que a inflação terá nas contas públicas portuguesas.

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.