Mais Liberdade
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

Capitalismo

Walter Eucken

Excertos e Ensaios, Liberalismo e Capitalismo, Economia, História, Ordoliberalismo

Português

A economia euro-americana do último século [i.e. séc. XIX] é substancialmente diferente de todas as economias do passado. Tornou-se necessário exprimir peremptoriamente este facto, incluindo em termos de conceitos. Para isso recorreu-se ao conceito de «capitalismo», uma noção largamente aceite pela opinião pública e de uso generalizado. Numerosos autores procuraram determinar as características e os limites deste conceito. – Para nós surge assim a questão: pode-se restituir esta nova realidade económica através da palavra «capitalismo» com o sentido que ela habitualmente assume?

Estamos perante um facto histórico de grande importância que é a industrialização. Ela começou há aproximadamente século e meio na Inglaterra e continua hoje com todo o vigor. O seu périplo do planeta está longe de terminado. No começo do séc. XIX ela atingia os países da Europa ocidental e central – Alemanha, França, Bélgica, Suíça... – e a costa oriental dos Estados Unidos. No fim do século assentou pé no Japão. A partir de 1928 é a Rússia que sob a direção do novo poder se lança num processo de industrialização de grande envergadura. Actualmente, o ritmo acelera-se: a China, a Índia, o Brasil, a Turquia, vários Estados balcânicos e a Espanha querem industrializar-se e estão a industrializar-se. A Inglaterra por volta de 1850, a Europa e os Estados Unidos ainda no começo deste século imaginaram poder ser indefinidamente a oficina industrial do mundo; hoje vemos que o mundo inteiro, desde que as condições naturais o permitam, começa a transformar-se em oficina industrial. Esta revolução industrial, sem paralelo na história universal, não só salta de país para país, mas continua a desenvolver-se em toda a parte e – mesmo nos países de velha industrialização como a Inglaterra e a Alemanha – aparecendo continuamente, à medida que ela se desenrola, novas formas económicas. Se a ciência quiser perceber como é que este enorme processo, no decurso do qual a vida dos indivíduos sofreu imensas transformações, se desenrolou e desenrola, tem de encará-lo do ponto de vista da história universal. Isto é: na sua articulação geral com a totalidade histórica das nações e da humanidade. O seu surgimento na situação intelectual, política, económica particular da Europa, a destruição das velhas formas da produção industrial e agrícola, a transformação social das nações, os fenómenos de massificação, a sua influência sobre a formação dos Estados, a condução da guerra e a vida religioso-espiritual dos povos, tudo isso exige uma perspectiva universal de abordagem deste prodigioso processo histórico. Poder-se-á então compreender porque é que a industrialização se desenrolou de maneira diferente na Inglaterra e no Japão ou na Rússia, porque é que ela ora se desenvolveu dentro das velhas formas, transformando-as lentamente, ora as destruiu completamente. – E ainda um segundo ponto: a ciência tem de precisar no quadro de que ordem económica começou a industrialização de um país ou de um continente e como é que ela por seu turno transformou a ordem económica. As ordens económicas em que ela teve origem foram muito diversas: na Inglaterra, Alemanha e outros países europeus predominava a economia mercantil. Noutros países como a Rússia e a Turquia foi directamente o Estado que com medidas administrativas interveio centralmente pondo em marcha o processo de industrialização. «A civilização é uma enorme vaga, dizia Kemal Pacha [Atatürk], e quem não se prepara para nadar com ela afoga-se ou é arrastado.» A partir de baixo é provável que nestes países a industrialização não tivesse sido tão rápida. Faltavam para tal forças endógenas e além disso o peso da tradição era demasiado grande. Então, foi o Estado que de maneira centralizada a pôs em marcha, o que lhe conferiu um carácter totalmente diferente. Diferente foi também o seu efeito sobre o modo de vida destes povos. – Perspectiva histórico-universal e reflexão em termos de ordem económica têm igualmente de se conjugar se se quer explicar o fenómeno histórico que hoje se designa por «crise do capitalismo»: a enorme transformação das formas económicas em que vivemos que não se pode de modo algum perceber em termos exclusivamente económicos.

Tudo o que se opõe ao ponto de vista histórico-universal e ao pensamento em termos de ordens económicas dificulta a compreensão da natureza e da evolução da economia moderna. Ambas as coisas se produzem porém com a utilização do conceito de «capitalismo» e em particular com o uso que dele é feito.

O que o conceito de «capitalismo» devia produzir era muito; mais ainda do que os outros «cortes transversais». Não se pretendia com ele representar simplesmente a «essência» do fenómeno que estaria por detrás dos fenómenos históricos concretos e que constituiria o objecto principal da economia política. Isso era o que se pretendia também com os outros cortes transversais, como economia urbana ou economia doméstica. Antes se via e vê no capitalismo a substância actuante da economia moderna. Os fenómenos concretos, como por exemplo a destruição das velhas actividades artesanais, a formação de cartéis, a expansão do comércio mundial, a transformação da estrutura social das nações, são vistos como acções de um ser real, o capitalismo justamente, e a sua crise como uma decadência deste ser. Marx e os seus discípulos contribuíram em grande medida para difundir esta maneira de pensar. Em muitos discípulos de Marx e noutros autores o capitalismo aparece mesmo como substância personificada ou como pessoa. Relata-se o que o capitalismo provocou na Europa e no resto do mundo, que ele há-de continuar a sua obra de destruição em todo o planeta, que o capitalismo maduro se tem caracterizado por um ritmo particular de ascensão e queda e que se tornou mais calmo, ponderado, sensato como convém à sua idade avançada, que ainda destrói porém massas de mercadorias e explora os trabalhadores. Por vezes tratar-se-á simplesmente de peculiaridades de expressão, mas na maioria dos casos é mais do que isso: tornou-se corrente conceber o capitalismo como substância criadora ou como um ser real, actuante. A massa dos indivíduos gosta de resto de pensar em termos de tais categorias e de lhes conferir ainda por cima uma certa coloração sentimental.

A este propósito seria de observar primeiramente que se comete um erro lógico grave, ou seja o erro de hipóstase. Coisifica-se, objectiva-se ou personifica-se uma ideia geral. A fuga para a ideia geral personificada «capitalismo» substitui-se à verdadeira investigação da realidade. – Alguém pergunta porque é que se procedeu no Canadá, Brasil e outros países à destruição de trigo, café e outros géneros alimentícios. E explica que é precisamente desta maneira que o capitalismo actua, considerando que com isso respondeu à pergunta. É muito cómodo; mas na verdade nada ficou explicado. Porque é que esta entidade singular, o «capitalismo», destrói massas de bens neste ponto e noutros não? – O observador devia estudar as formas de mercado concretas e descobriria então como e porquê, em certas formas de mercado monopolísticas, acontece destruírem-se massas de mercadorias e porque é que noutras formas de mercado isso não acontece. Devia pois penetrar na realidade e não se confiar a esquemas conceptuais.

Crê-se com tais descrições dos actos do «capitalismo» ser-se moderno e na verdade recai-se no pensamento mágico. Reencontramos aqui o velho erro do realismo filosófico. – O uso do conceito de «capitalismo» causou ainda danos em duas outras direcções.

Ele dificulta ou torna impossível a compreensão histórica. Esta é uma das consequências. Porque é fácil, por um lado, explicar o nascimento da entidade «capitalismo» a partir da história geral e por outro separar a sua ulterior vida, actos e morte do devir histórico geral. Aos olhos destes observadores, o capitalismo após o seu nascimento tem uma existência própria. Não se vê que a economia – e com ela a industrialização – é, sempre e em cada momento, parte do curso geral da história, com o qual ela está em interacção permanente, nem em que medida ela está em relação contínua com todas as manifestações concretas da vida das nações. A figura do capitalismo, com a sua evolução desde o capitalismo primitivo até ao capitalismo maduro, torna-se um deus ex machina com o qual se solucionam aparentemente os problemas económicos concretos. Ignoram-se relações históricas manifestas, essenciais: é fácil constatar que a revolução francesa e as transformações na política externa e na estrutura interna dos Estados que ela provocou também modificaram a estrutura económica da Europa, que a guerra de 1914-1918, os tratados de paz e as revoluções que se lhe seguiram, e a guerra de 1939-1945 foram determinantes para a vida económica, incluindo no futuro próximo. Porém, quem vê no capitalismo a personificação da economia moderna e reduz os acontecimentos económicos a manifestações desta entidade, fica cego perante tais relações com a história geral e pode chegar à conclusão «que, em geral, os acontecimentos políticos não são determinantes para a evolução económica e que, em particular, a evolução do capitalismo foi praticamente independente das grandes revoluções políticas do século passado» (Sombart). Toda a discussão a propósito da «crise do capitalismo» sofre igualmente da falta de uma perspectiva histórica geral. Só partindo do movimento histórico geral da actualidade, do vigoroso processo de formação de Estados – que começou com a idade moderna e tomou nos últimos decénios uma configuração particular, fazendo sentir a sua influência em todos os domínios –, do avanço do nacionalismo e de outras ideias que se tornaram dominantes, e conjugando tudo isso com o estudo dos factos económicos, se pode compreender a transformação das ordens económicas e do quotidiano económico. Em termos de história universal tem pois de se perguntar: como é que a evolução histórica geral, espiritual, religiosa, política, social e económica, levou a uma tão profunda transformação da realidade económica? Quem coloca a questão em termos de «essência» do capitalismo e procura ali a resposta, está já a abordar o problema de maneira a-histórica, errónea e demasiado estreita. O pensamento ainda é mais anti-histórico quando se acredita numa evolução determinista desta essência.

A segunda consequência é que, dado o conceito de capitalismo não nos dizer nada sobre a estrutura da ordem económica, não é apropriado para uma descrição da realidade económica. Cada um lhe introduz a concepção de ordem económica que lhe convém: anarquia da produção, economia concorrencial, laissez faire, domínio da economia por forças monopolistas ou direcção da economia por um Estado económico dominado por forças anónimas. Pior ainda: desde o começo da revolução industrial há aproximadamente 150 anos, a humanidade viveu, numa sucessão relativamente rápida, as múltiplas alterações e a justaposição característica das ordens económicas concretas. Trata-se de uma multiplicidade também de grande importância do ponto de vista histórico geral. Era missão da ciência, e continua a sê-lo hoje, estudá-la em profundidade. Mas a palavra «capitalismo» devora essa multiplicidade. Como é que se pode compreender a profunda transformação da ordem económica euro-americana desde 1920 se se coloca o problema em termos de «crise do capitalismo»? Ou seja um conceito que não exprime a estrutura da ordem económica do mundo moderno? – Na sua busca da essência da realidade económica, escapou a estes observadores a intuição dessa realidade.

Exactamente no que parece ser o seu ponto forte reside uma fraqueza fatal do método de construção de cortes transversais. Nesta escola pensava-se e pensa-se ter o sentido da realidade histórica. Porém, não só se criaram séries evolutivas anti-históricas, mas também entidades conceptuais que isolam indevidamente os acontecimentos económicos do curso geral da história, impedem a compreensão histórica e dificultam ainda o conhecimento das ordens económicas.

Excerto da obra Fundamentos da Economia Política (1939), do economista alemão Walter Eucken (1891-1950).

Eucken é considerado um dos principais pensadores da chamada "economia social de mercado" (ou, talvez mais corretamente, "economia de mercado social"), bem como do "milagre económico alemão" no pós-Segunda Guerra Mundial. Este seu conceito de ordem económica está também na base da corrente política do "ordoliberalismo".

A presente tradução, publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian em 1998 e acessível através da nossa biblioteca, esteve a cargo de M. L. Gameiro dos Santos, com revisão e coordenação de Eduardo de Sousa Ferreira.

Colaboração na edição: Carlota Pignatelli Garcia.

Instituto +Liberdade

Em defesa da democracia-liberal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Linkedin

info@maisliberdade.pt

© Copyright 2021 Instituto Mais Liberdade - Todos os direitos reservados

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Este website utiliza cookies no seu funcionamento

Estas incluem cookies essenciais ao funcionamento do site, bem como outras que são usadas para finalidades estatísticas anónimas.
Pode escolher que categorias pretende permitir.

Your cookie preferences have been saved.